.mais sobre mim

.Ultimos Luares

. Escolher um caminho....

. encontro

. caminhos cruzados.....

. Simplesmente adeus...

. Renascer das Cinzas . . .

.Luares Passados

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Maio 2008

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Fevereiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

Sábado, 5 de Junho de 2004

Chave

Pelas voltas que a chave deu sabia que a solidão estava sentada na cadeira á minha espera. Entrei pela porta e o calor avassalador da solidão abraçou-me, envolveu-me num abraço como o de uma criança atirando-me para o chão. Papeis voaram, cartas perderam-se, contas espalharam-se. Ali fiquei eu despojada no chão frio com o abraço quente perdida entre as malas do trabalho e as chaves do carro. Deixei os olhos fecharem-se e perdi-me no que julgo realidade não ter sido. Corri pela casa em passos lentos gritando, cantarolando musicas perdidas na memória, apenas buscando um basta numa qualquer voz, num qualquer canto. Uma nota na mesa presa apenas pela caixa das chaves pequeninas era o sinal que a solidão era completa. Nunca o deixara de ser mas a existência de outra alma fazia com que a definição de solidão não fosse a mais correcta. Perdi-me na água que corria, deixei o tempo passar e chorar desejei. Casar quiz, a morte desejei novamente. Da morte nunca vos falei, mas houve um dia que não está perdido no tempo que a morte beijei de labios secos e suaves. Para ela caminhei e quase nela estive presa para sempre. Hoje passados sete meses não consigo recordar o desejo, o sentir que para ela me levou, loucura talvez, incoerência, devaneio, não sei. Mas naquela corrida louca e lenta desejei não aqui estar, noutra dimensão me encontrar. Deixei a água cair sem nada sentir e sem o tempo ver passar, as luzes foram-se e no aconchego de uam toalha deitei-me com a solidão precisa com o Boa Noite calado que comigo todas as noites partilha o meu leito, a minha intimidade, o meu beijo doce e suave.

publicado por Mulher Especial às 10:45

link do post | comentar | favorito

13 comentários:
De Candy a 6 de Junho de 2004 às 18:01
Eu n te deixei já um comentário pk kia pensar algo, antes de dizer. Algo k pudesse significar mais k palavras..Kando a solidão te bater À porta, joga a chave fora e manda para longe ti.. Abre o cadeado e solta essa alegria que trazes dentro de ti e kando te sentires triste nós estamos do teu lado para te confortar. A solidão se afastará e teu espirito sobreviverá. Kando precisares de uma mao amiga lembra-te smp k tho duas cm carinho.. Logo escrevo mais, pois vou ter de ir as 6:30 la pa igreja.. Jinhoas gandes amiga e muita força..


De amiguinha secreta a 6 de Junho de 2004 às 13:51
Está meigo e c mt sentimento este txt adorei ler..
voltarei**


De Miss Devil a 5 de Junho de 2004 às 21:21
Oi!
Ñ kerias perder essa chave??
Encontrar a sollidao, é algo curioso so nos restar a solidao para fazer companhia...
jinhos


Comentar post