.mais sobre mim

.Ultimos Luares

. Escolher um caminho....

. encontro

. caminhos cruzados.....

. Simplesmente adeus...

. Renascer das Cinzas . . .

.Luares Passados

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Maio 2008

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Fevereiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

.Luares Passados

Quarta-feira, 22 de Novembro de 2006

Palavras de um vazio sentido num instante perdido

O cinzento que me cobre é o que de mais cor-de-rosa ilumina a vida de alguns seres. Mas mesmo isso não me impede de sentir tristeza quando sinto o desprezo de um amigo ou de lágrimas derramar quando exprimento mais uma desilusão do Ser Humanos.

Uma voz tinha-me segredado algumas palavras um dia antes. Uma voz vinda dos céus . . . do passado . . ao meu ouvido baixinho tinha dito " cuidado com o sonho". Apesar da voz reconhecer e de um sorriso esboçar deixas as palavras cair no vazio e no sonho acreditei.

Uma mesma faca espetada com mais requinte e delicadeza mordaz ou um novo artefacto aguçado de uma forma um tanto premeditada? Há palavras, gestos . . .ou melhor a falta de palavras e gestos funcionam como facas capazes de acabar com uma vida sem que  quem ao lado dela passe sinta o minímo dos salpicos.

Um dia de sonho, de desejos amplamente guardados, um dia planeado . . . apenas isso foi o necessário para . . . para que num instante como aquele que rouba o Sol do seu momento mais belo (o pôr do sol) . . . um instante para que a realidade caísse em mim. . .

Cada segundo, minuto, hora era sentido e vivido com uma estranheza . . . não era ali que deveria de estar. Sentada na beira do abismo olhando o horizonte vazio de vida . . . sentada na porta da vida e da morte, no limbo a uma escassa distância do arrebatamento . . . de braços abertos, de peito livre de olhos cerrados á espera do abraço violentamente envolvente que dali me levasse por uma vez mais para nunca mais voltar . . .

A noite caiu por fim e o corpo cansado e fustigado do frio e do vento começou a reclamar. Rendida entrei no carro e regressei para o conforto de todas as noites, para abraço sem vida que sempre me recebeu - o meu.

 


publicado por Mulher Especial às 00:26

link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Sexta-feira, 17 de Novembro de 2006

A beleza da perdição dos sentidos

Passos confiantes. . . balançar de desejo. . .  roupa de uma confiança provocante. . . sorriso de malícia inocente. . . perfume produzido pela sensualidade da pele. . . era assim que aquela noite começava quando da porta saí  acompanhada apenas pelo barulhinho provocante dos saltos altos na calçada tipicamente portuguesa . . . um encontro com o desconhecido de uma noite fria do Inverno. . . Em busca de um Amor?! de uma Paixão?! em busca daquele arrepiar na espinha. . . daquela explosão de sentidos, do frenesim do corpo com a música certa a conduzir o caminho a cidade atravessei por ruas nunca antes vistas . . . a minha pele exalava um perfume de sensualidade provocante capaz de atrair até o mais distraído e frio dos homens . . .Parei e subi. . .aquela porta guardava o desejo, uma loucura de sentidos. . . de palavras . . . de actos. . . uma loucura . . .

 

 


publicado por Mulher Especial às 16:48

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 5 de Novembro de 2006

Noc!Noc!

há momentos assim . . .caídos pelo chão do esgotamento do corpo, da alma. A desilusão só existe porque um dia em determinada hora uma bela  construção de palavras, ornamentadas de gestos de ilusão. É tão difícil deixar palavras saírem sem que se tornem repetitivas, conjugar verbos, adjectivos, substantivos de uma forma criativa, cativante e ao mesmo agentes descritores de sensações, sentimentos, desejos, angustias....por vezes palavras associam-se dentro de mim de uma forma tão rápida que as tenho de renegar para que caia na tentação de reescrever o que  num passado já foi descrito... momentos diferentes, tempos espaçados no tempo. . . sentimentos em aspectos semelhantes mas tão diferentes...lágrimas presas, perguntas capazes de me sufocar rondam, basta uma música...uma palavra...um gesto...um local. Tento fugir mas as forças fogem-me, procuro onde me esconder mas as portas que quero que me acolham estão fechadas...talvez o orgulho, o receio de rebaixar não me deixam fazer . . . noc!noc!

publicado por Mulher Especial às 20:55

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|