.mais sobre mim

.Ultimos Luares

. Escolher um caminho....

. encontro

. caminhos cruzados.....

. Simplesmente adeus...

. Renascer das Cinzas . . .

.Luares Passados

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Maio 2008

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Fevereiro 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

.Luares Passados

Sábado, 29 de Maio de 2004

Dois anos?! Nãooooo

attach.gif
Dois anos se passaram.
Já fez dois anos?! De certesa?! Não pode ser ainda ontem ouvi o utimo beijo, ainda ontem a vi deitada na sua cama imovel e presa. Não pode ser, não pode ser. Um grito solta-se de mim. NÃO! NÃO! Não consigo acreditar. O tempo passou e eu nem senti, não o vi porque sempre aqui esteve. Todos os dias recordo as suas palavras, ensinamentos. E a dor voltou avassaladora, a dor da perda, o caixão ali aberto...e sem me perceber as lágrimas caem nos meus dedos perdendo-se por entre as teclas....dois anos...não consigo acreditar...volta por favor preciso de ti agora....da tua sapiência...dos teus conselhos...tantas e tantas vezes me recordo e me pergunto qual seria o conselho...ir por ali ou por ali...esperar ou prosseguir.....Queria que em visses agora consegui....consegui mudar olha para mim por onde estas...rasga uma frecha das nuvens e espreita-me consegui...mas preciso de ti...pega-me ao colo....deixa-me ao teu lado adormecer como tantas noites...conta-me a tua história outra vez...conta-me como foste feliz.....ensina-me um pouco a ser a Mulher que foste...
"Quis ver o sol do cimo do monte, sentir a vida no coração de quem já tinha morrido. Um vazio de imensidão, uma saudade sem perdão. Dor, raiva, querer e não querer, angustia, dor, saudade, desespero de não saber o que fazer. Dor, saudade, vontade de não acreditar. Água quente, salgada, doce de dor, de saudade caindo de rostos conhecidos.
Frustação
Leve, docemente se foi quem não quis mais ficar sofrendo quieto no leito da PAz "
(escrito no dia seguinte ao seu enterro)

publicado por Mulher Especial às 14:15

link do post | comentar | ver comentários (38) | favorito
|

...

alteração para ti.jpg
Dois anos se passaram. Já fez dois anos e eu nem dei conta, quantas vezes em sonhos vou

publicado por Mulher Especial às 10:59

link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 27 de Maio de 2004

O caminho que percorri

Caminho(1).jpg
Aqui cheguei á quase quatro meses, as minhas palavras espalhei por outros blogs em comentários e textos, palavras aqui deixei...palavras aqui deixo quase diariamente...palavras perdi por quase mil cantos que descobri e que me descobriram... Amigos encontrei, almas conheci. Minha vida partilhei nos momentos em que a prendi por um fio e meu corpo deixei cair....em sentimentos que me uniam a um alguém.....a olhares tristes que vi e tentei descrever que tentei compreender....olhar triste que um dia gostei ou julguei ter gostado...o perdão tentei descobri, o perdão questionei e dei se é que é possível perdoar....a Lua escrevi e descrevi vezes sem conta ora com os sorrisos ora com as lágrimas de sangue que em mim deixaram...a angustia conheci e os limites da razão perdi...noites frias passei...duvidas lancei sobre o Tu que tinha...sobre palavras que ouvi como Amor tentei escrever sem nunca saber o que era....tantas eram as interrogações que quase enlouqueci...a minha solidão vos mostrei...na normalidade recordei, a dor sentida e as lágrimas vividas sem que soubesse que elas se encontravam novamente ao virar da esquina... as palavras também perdi e por isso corri pelos caminhos que conhecia para as encontrar, entre livros as procurei mas foi dentro de mim que as encontrei...ciclos comecei e terminei julgando sempre ter chegado ao fim sem nada imaginar a dor que ainda ia viver...em nada julguei me ter tornado....voei pelas minhas palavras de passados distantes que encantaram quem as leu....pelas ruas andei com as lágrimas caídas gritei....voltei a voar e a cair de rir sem parar sobre o branco e fofo......mostrei as grades que me prendiam, que deixei crescerem do chão em volta de mim.....ate os pulsos cortei um dia e o sangue vi derramar, com uma lâmina meu braço para sempre marquei sem que ate hoje alguém tivesse reparado...o meu coração deixei que me arrancassem e o vi morrer diante de mim sem nada conseguir fazer....depois os problemas começaram a chegar e sentimentos que não conheço apoderaram-se de pessoas que desconheço e que conheço, quis desistir, fechar a porta e partir algumas vezes tentei isso fazer mas vozes levantaram-se de onde não esperava sequer e por isso fiquei, pelas vozes que apareceram.....pelas que foram chegando pelo desejo crescente que tenho dentro de mim de escrever, desejo que a cada dia torna-se numa necessidade primária....o meu coração vos entreguei....mostrei por dentro e por fora seco, magoado, despedaçado....as rédeas da vida peguei por momentos...momentos tentei abafar, guardar, fingir que não existiam mas não consegui...sonhos deixei escapar...sopros dei com força para longe levar as angustias do passado que ainda estavam presentes...o baú do passado abrir e a vós vos mostrei os sentimentos já esquecidos em muito esquecidos...a cor desejei e ela encontrei e por aqui espalhei.....jardins plantei de flores mil sempre com uma lágrima no canto do olho escondida...os sorrisos que tinham nascido cairam com a ira alheia desmedida....a luz nas minhas mãos carreguei tentando a Amizade de alguém mas nada consegui...as palavras precisei de entender e de descobrir mas os sentimentos são tão imprecisos que verdades plenas não consegui descobrir....um fim de semana de sonho vivi e o que poderia fazer sorrir quem a minha volta anda, mas apenas trouxe ira desmedida e raiva que não entendi...momentos vivi que sorrisos me trouxeram mas a incompreensão alheia lágrimas me tentou provocar...lágrimas vazias da preciosidade da vida derramei...sentimentos proibidos espalhei por aqui que tanta compreensão encontrei...e sobre mim vos falei mais uma vez pela voz de quem desconheço e com a letra de uma música vos disse I was born to try.....tentei compreender mas pouco andei de onde estava....uma gota de sangue derramei pelo caminho perdido...cartas vos escrevi... e gritei bem alto que as correntes tinha soltado e me sentia livre como nunca antes....conversei com a morte com um chá entre nós...o paraíso encontrei e até vós tentei fazer chegar....com o sono acordei um dia sem nada perceber....escondi-me mas momentos de terror partilhei e uma violação tentei contar...pela noite uma vez mais voei...de conversas casuais vos falei e aos seres inferiores aqui deixei palavras...perante vocês deixei cair os meus braços e confessei e deixei que palavras voassem para longe de mim pois a vida é curta demais para as dizer e sentir....até que o dia chegou, o dia em que um Homem confessei ter morto, porque o matei mesmo.... não mais cruzei-me, não mais o senti porque o matei do modo mais cruel e insignificante que existe...um Adeus ou até Já vos tentei dizer mas voltei dizendo que um ate já digo mesmo que um amanha não exista.....

publicado por Mulher Especial às 17:02

link do post | comentar | ver comentários (19) | favorito
|

Quarta-feira, 26 de Maio de 2004

Percurso

Aqui cheguei á quase quatro meses, as minhas palavras espalhei por outros blogs onde estive e que saí, palavras aqui deixei...palavras aqui deixo quase diáriamente...palavras perdi por quase mil cantos que descobri e que me descobriram... Amigos encontrei, almas conheci. A minha vida partilhei em momentos em que a prendi por um fio....em sentimentos que me uniam a alguem...a olhares tristes que vi e tentei descrever...o perdão tentei descobri....a Lua escrevi e descri vezes sem conta ora com os sorrisos ora coma s lágrimas de sangeu que em mim deixaram...a angustia conheci e os limites da razão perdi...noites firas passei...duvidas lancei sobre o Tu que tinha...sobre nomes que ouvi como Amor....tantas erama s interrogações que quase elouqueci...a solidão minha vos mostrei...na normalidade recordei a dor sentida e as lágrimas vividas sem que soubesse que elas se encontravam ao virar da esquina... as paalvras também perdi corri pelos caminhos que conhecia para as encontrar entre livros as procurei...ciclos comecei e terminei julgando sempre ter cehgado ao fim sem nada imaginar a dor que ainda ia viver...em nada julguei me ter tornado....voei pelas minhsa palavras de passados distantes que encantaram quem leu....pelas ruas andei com as lágrimas caídas....voltei a voar e a cair e rir sem parar sobre o banco e fofo......mostrei as grades que me prendiam, que deixei crescerem do chão em volta de mim.....ate os pulsos cortei um dia e o sangue vi derramar...o meu coração deixei que me arrancassem e o vi morrer diante de mim sem nada fazer....depois os porblemas comecaram a chegar e sentimentos que não conheço apoderaram-se de pessoas que desconheco e que conheco e quis desistir, fechar a porta e partir alguams vezes tentei isso fazer mas vozes levantaram-se de onde não esperava sequer e por isos fiquei pelas vozes que apareceram.....pelas que foram chegando pelo desejoq ue tenho dentro de mim de escrever que cada dia cresce tonando-se nuam necessidade como que do oxigénio que respiro....o meu coração vos entrei..mostrei por dentro e por fora seco, magoado, despedaçado...as rédeas da vida peguei em momentos...momentos tentei abafar ma não cosnegui...sonhos deixei escapar...sopros dei com força para longe levar as angustias do passado que ainda estava presente...o baú do passado abrir e a vós vos mostrei os sentiemtnos de um passado já esquecido...a cor desejei e ela encotnrei...jardins palntei de flores mil sempre com uma lágrimanoc anto do olho escondida...os sorrisos que tinham nascido cairam com a ira alheia desmedida....a luz nas minhas mãos carreguei tentando a Amizade de alguem mas nada cosnegui...as palavras preceiseid e entender e de descobrir mas os sentiemntos são tãoinprecisos que verdades pelnas não cosnegui descobrir....um fim de semana de sonho vivi e oq ue poderia fazer sorrir quem a minha volta anda apenas trouxe ira desmedida e raiva que não entendi moemntos vivi que sorriso me trouxeram mas a incompreensão alheia lágrimas me tentou provocar...lágrimas vazias da preciosidade da vida derramei...sentimentos proibidos espalhei por aqui que tanta compreensão encotnrei...e sobre mim vos falei mais uam vez pela voz de quem desconheco e com uam letra de uam música vos disse I was born to try.....tentei compreender mas pouco andei de onde estava....uma gota de sangue derramei pelo caminho perdido...cartas vos escrevi... e gritei bem alto que as correntes tinha soltado e me sentia livre como nunca antes....conversei com a morte com um chá entre nós...o paraíso encontrei e até vós tentei fazer chegar....com o sonso acrodei um dia sem nada perceber....escondi-me mas momentos de terror partilhei e uam violação tentei contar...pela noite uam vez mais voei...de conversas casuais vos falei e dos seres inferiores aqui deixei palavras...perante voçes deixei cair os meus braços e confessei e deixei que palavras voassem apra longe de mim pois a vida é curta demais para as dizer e sentir....ate que o dia chegou, o dia em que um Homem confessei ter morte, porque o matei mesmo não mais cruzei-m, não mais o senti porque o matie do modo mais cruel e insignificante que existe...um Adeus ou até Já vos tentei dizer mas voltei dizendo que um ate já digo mesmo que um amanha não exista.

publicado por Mulher Especial às 21:14

link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 24 de Maio de 2004

Até Já digo mesmo que amanha não exista para mim

Hoje quando bati a porta devagar do minusculo consultório e momentos depois no carro entrei coloquei este CD a tocar.
Há dias tinha dito um Adeus ou um Até Já sem saber o que iria ser o futuro....confesso que aquele pedaço de papel me assustou bem como a voz que branco vestia....senti a morte mais perto. Ela sempre nos ronda é certo mas senti-la ali a escasos metros arrepia... traz lágrimas, tristezas.....reflexões. Vários foram os momentos em que chorei pela morte de quem amo, várias foram as vezes que lágrimas cairam nos meus ombros de quem a morte teve de enfrentar. Aprendi a de pé estar, de ombros emprestar, de silêncios dar, afinal AMIZADE é também isso, estar quando a dor é grande...apenas estar sem nada pergutnar, sem nada cobrar...estar ali e um abraço dar mesmo que nada se saiba fazer, memsoq ue nada se saiba dizer. Não aprendia lidar com a minha morte anunciada. Momentos de fraqueza sei que terei e dores irei sentir eu sei, mas sorrirei pois quero que seja a ultima coisa que vejam de mim um sorriso grande e sincero.
Um Adeus não digo mesmo que não exista um amanha...um Até Já deixo a todos os que aqui passaram e palavras me deixaram....a todos aqueles que em silêncio aqui vem visitar-me e palavras não me querem deixar.
Continuarei a escrever mas dentro de mim, á minha volta houve mudanças. Virei escrever porque pelas palavras irrei viver sempre, nelas existo e presisto...nas palavras que escrevo...nas palavras que disse....nos gestos que fiz...nos momentos que vivi e que viverei...no passado que tive na dor que senti...na angustia que exprimentei...nos sorrisos que senti e que fiz nos pequenos gestos que dei. Morrerei feliz mas com infelicidade por mais tempo não ter tido...prometo que ate esse dia chegar cada segundo irei aproveitar...beberei as palavras aqui deixadas e em outros cantos e recantos irei, mas menos tempo por aqui ficarei porque o sol quero sentir uma vez mais...porque a noite quero ver....porque o nascer o do sol que nunca vi quero exprimentar...meus Amigos quero abraçar uma vez mais... na solidão quero estar por breves instantes apenas...quero viver tudo o que em falta mas o tempo não pára e o relógio não para de Tic! Tac! Tic! Tac!

anjo.JPG

publicado por Mulher Especial às 18:20

link do post | comentar | ver comentários (19) | favorito
|